Browsing Tag

sânscrito

Mantras

Meditação em Deus menino (Damodarastakam)

1 de junho de 2018

Oito versos dedicados a Krishna em sua forma de menino travesso (Damodara)

Certa vez, o pequeno Krishna entrou na dispensa de sua mãe e “roubou” vários potes cheios de iogurte que ele comeu com seus amiguinhos e ainda distribuiu o restante aos macacos…

Quando sua mãe chegou ao local e os pegou em flagrante, ele tentou fugir mas acabou sendo apanhado por sua mãe, que correu mais rápido. Tendo sido amarrado pela cintura a um pilão de madeira depois dessa traquinagem, Krishna ficou conhecido como Damodara (damo=corda; udara=barriga).

Assim, o Senhor Supremo que grandes místicos tentam alcançar através de suas meditações foi capturado por sua mãe Yashoda, que conseguiu atá-lo não pela força das cordas, mas pelo poder de seu amor puro e incondicional.

 

Mantras

Meditação no Absoluto (Mantras de abertura da Isopanisad e do Bhagavata Purana)

17 de setembro de 2017

Mantra de abertura da Īśopaniṣad:
oṁ
pūrṇam adaḥ pūrṇam idaṁ
pūrṇāt pūrṇam udacyate
pūrṇasya pūrṇam ādāya
pūrṇam evāvaśiṣyate

Tradução: O Absoluto é perfeito e completo. Desse completo original surgem outras unidades também completas em si mesmas; e mesmo retirando-se tantas unidades completas do todo-completo, o Absoluto ainda assim permanece perfeito e completo.

Mantra de abertura do Bhagavata Purana:

janmādy asya yato ’nvayād itarataś cārtheṣv abhijñaḥ svarāṭ
tene brahma hṛdā ya ādi-kavaye muhyanti yat sūrayaḥ
tejo-vāri-mṛdāṁ yathā vinimayo yatra tri-sargo ’mṛṣā
dhāmnā svena sadā nirasta-kuhakaṁ satyaṁ paraṁ dhīmahi

Meditemos [naquele que é] a Verdade última. Que é a causa tanto material quanto eficiente da criação, [manutenção e aniquilação] deste [universo], permeando-o e existindo à parte dele simultaneamente. Que conhece tudo completamente. Que brilha por seu próprio esplendor e é independente. Por quem os Vedas foram revelados no coração do sábio original [i.e. Brahmā, o demiurgo do universo]. Que confunde [até mesmo] os sábios. Fundamentada em cuja realidade a criação tríplice resultante das transmutações de fogo, água e terra não é falsa. Por cuja influência toda a falsidade é dissipada. (BhP 1.1.1)